Procure nos arquivos do P29BR

domingo, 18 de julho de 2010

P29BR 29ER SHORT TEST - Coroa Elíptica Rotor Q-Ring

Reinventando as coroas ovais.


Aqueles que pedalaram uma bike equipada com componentes Shimano por volta do início da década de 90, devem estar lembrados do nome Biopace. Tratava-se de uma tentativa da gigante japonesa em manipular o diâmetro das coroas dianteiras de forma a tornar o ato da pedalada o mais natural e uniforme possível, além de potencializar o uso da energia empregada no movimento de rotação do pedivela. O sistema primordialmente desenvolvido para o ciclismo de estrada foi aplicado ao MTB, erro que acabou por resultar no abandono posterior do Biopace, que constatou-se, não funcionava bem na terra e era incompatível com a maneira de pedalar e cambiar numa mountain bike.

Acompanhando o circuito mundial nos últimos tempos, me chamou bastante atenção o crescimento do número de profissionais usando coroas elípticas, desde atletas do cross-country como Christoph Sauser e Todd Wells, até expoentes do mundo singlespeed como o excêntrico Fuzzy Mylne, além, por exemplo, do sprinter Thor Hushovd que no momento disputa o Tour de France. As coroas em questão são fabricadas na Espanha pela RotorBike, uma usina de inovações que também produz, entre outros componentes, pedivelas usinados que são verdadeiras obras de arte de engenharia.

As coroas ovais Biopace eram menores em diâmetro na altura do ponto de força da pedalada e maiores nos ditos "pontos mortos" parte da curva onde os pedais atingem a menor distância em relação ao solo. O objetivo era acelerar os pedais na fase de compressão do círculo para depois promover uma leve desaceleração na altura do "ponto morto" e com isso acumular energia cinética nos pés do ciclista para quando os pedais iniciam o arco para retornar ao seu ponto superior. Apesar do conceito relativamente complicado, na prática o Biopace era eficiente e seus benefícios podiam de fato ser sentidos.


Os engenheiros da RotorBike tomaram um caminho contrário ao da Shimano, criando coroas em que o maior diâmetro coincide com o ponto onde a perna do ciclista produz o maior torque e o menor diâmetro onde a pedalada seria mais fraca. O sistema espanhol visa otimizar o uso da força empregada pelo ciclista no ato da pedalada, reduzindo a quantidade de energia requerida para movimentar os pedais na posição onde a musculatura da perna é menos efetiva.

As Q-Rings, como são conhecidas, são produzidas em liga de alumínio 7075 e usinadas em CNC. Essas coroas foram testadas extensivamente, inclusive por algumas universidades de renome na Europa. As conclusões do estudos mostraram uma maximização da energia gerada na pedalada e, em contra-partida, uma diminuição da taxa de respiração e da frequência cardíaca nos ciclistas testados.


Antes cético em relação às coroas ovais, comecei a considerar a idéia de usá-las quando montei como singlespeed a bike de testes do P29BR, a Niner SIR9. Com o relevo acidentado da minha região, qualquer ajuda extra, como a prometida pela RotorBike, seria bem-vinda para se pedalar montanha acima com apenas uma velocidade.

Para um brasileiro a aventura de adquirir as Q-Rings não é tarefa das mais simples, além de dispendiosa. O sistema completo, com 3 coroas para MTB custa perto de 300 dólares! As Q-Rings dificilmente encontradas em lojas, são vendidas diretamente no site do representante americano (http://www.rotorbikeusa.com) que não envia os produtos para fora dos EUA. Por questões de custo e pelo fato de pessoalmente não ter certeza quanto à veracidade de suas propaladas qualidades, optei então apenas pela coroa do meio, de 33 dentes, que poderia tanto ser usada para singlespeed, quanto para uma montagem com marchas. O custo dessa coroa única é de 93 dólares. A RotorBike oferece também um modelo específico para singlespeed, com 34 dentes, custando salgados 135 dólares.


As coroas Q-Ring são acompanhadas por instruções detalhadas de instalação. Você pode estar se perguntando se existe alguma ciência por trás da simples montagem de uma coroa no pedivela, no caso do produto da RotorBike, existe sim, o sistema OCP (Optimum Chainring Position). O OCP usa três pontos diferentes de ajuste da coroa em relação ao pedivela, permitindo adaptar a coroa à forma de pedelar de cada ciclista, tanto daquele que pedala mais tempo em pé, quando daquele que se posiciona mais na parte traseira da bike. Sugiro ao comprador que experimente as Q-Rings cada uma das posições de montagem antes de escolher a mais adequada a seu estilo de pedalada.


As primeiras pedaladas passam uma certa sensação de estranhamento, mas bastam alguns minutos e você já começa a se perguntar porque as grandes marcas, Shimano e SRAM, não investem em nada parecido. Depois de alguns dias realmente é possível perceber uma pedalada mais "redonda", mesmo numa bicicleta com velocidade única. A variação de diâmetro nessa coroa oval é sutil a ponto de não requerer um esticador de corrente na Niner SIR9, ao contrário, nada sutil a ponto de definitivamente melhorar o desempenho de um piloto a bordo de uma singlespeed.

A montagem da coroa elíptica da RotorBike em um pedivela triplo se mostrou uma tarefa um pouco mais complicada. Como somente a coroa do meio seria a ovalada, foi mais difícil encontrar a melhor regulagem para o câmbio dianteiro e posicioná-lo de forma alta o bastante para não encostar na Q-Ring quando a corrente estivesse na coroa grande, mas baixa o suficiente para trocar rápida e corretamente as marchas. Depois de todo regulado, o desempenho da pedalada com a Q-Ring foi mais uma vez claramente superior ao modelo "redondo" padrão.


Tanto o antigo sistema da Shimano, quanto o atual produto da RotorBike, reinvindicaram para si a qualidade de minimizar o efeito do "ponto morto" no arco da pedalada, de qualquer forma, hoje parece claro que os espanhóis encontraram a melhor fórmula. As Q-Rings podem ser consideradas uma ajuda a mais na busca do conjunto perfeito, se você é um competidor nato, qualquer pequena melhoria numa já bem montada bike se converte em uma real vantagem ao final de muitos quilômetros. O corajoso usuário de singlespeed é outro que pode ser muito beneficiado com o emprego dessas coroas ovais, eu recomendo! Sinto apenas que o preço seja tão salgado e que ainda nenhum importador brasileiro tenha se interessado em distribuir o produto por aqui, de qualquer forma, vale o esforço para se adquirir os produtos da RotorBike, se o bugdet permitir, escolha todos os três tamanhos para compor seu pedivela.

Keep 29eriding!

20 comentários:

  1. Valeu Adil! Sempre tive bastante curiosidade sobre esses ovais que alguns "loucos" usavam =)

    ResponderExcluir
  2. Pois é Adil.
    Dois de meus idolos, O Paul Romero,(Pai do alpinista Jordan Romero, corredor de aventura dos Estados Unidos que ja foi vencedor do Ecomotion Pro) e o Tri-campeão mundial do XTERRA Conrad Stoltz usam eventualmente em suas 29er coroas elipticas.

    Legal, espero que alguem produza ou importe pro Brasil.

    ResponderExcluir
  3. Olha a bike do Conrad!
    http://www.bikerumor.com/2009/04/19/specialized-29er-epic-xterra-champ-conrad-stoltzs-bike/

    ResponderExcluir
  4. Muito bom pessoal!

    Por falar nisso, olha a bike que o Ned Overend está usando para treinar visando o Campeonato Americano de SS:

    http://sphotos.ak.fbcdn.net/hphotos-ak-snc4/hs079.snc4/35301_427264939264_100860949264_4345943_4680252_n.jpg

    Um Rockhopper com a coroa Q-Ring.

    Abs,

    Adil

    ResponderExcluir
  5. Essas coroas do Stoltz são tão ovais que até assustam, fabricadas pela marca francesa O.Symetric.

    ResponderExcluir
  6. Adil,

    não consegui acessar o link =(

    ResponderExcluir
  7. Pois é, eu postei a SPZ do Ned Overend no forum da Pedal.com .
    Muito legal.

    ResponderExcluir
  8. Adil, vc tem uma coluna na BikeAction, estando lá deve saber informar sobre a "lenda urbana" de que é possivel usar óleo mineral tipo "Singer" em freios hidraulicos shimano, que a diferença seriam a cor, ea viscosidade bem proximas do óleo Shimano.Outra que li em um blog é usar óleo de sistema hidraulico de trator, tipo retroescavadeira entre outras..., e a diferença seria a viscosidade maior, e não detona os selos do sistema. Mais uma seria opção é o de transmissão automatica de carros. Verdade ou Mentira?

    Desculpa mudar de assunto, mas a curiosidade falou mais alto!

    Viva as 29"er!!!

    ResponderExcluir
  9. Pois é Adil, da pra usar oleo de girassol no freio? E oleo mineral medicinal? he he he.
    --------------------------------

    Você esta usando apenas uma coroa na sua Niner SIR?
    Essa coroa não sendo especifica para SS, não corre o risco de cair a corrente como ja aconteceu com vc quando usava apenas uma coroa Shimano num teste anterior?

    ResponderExcluir
  10. Adil, a corrente casou direitinho?
    Tava vendo no site que existe correntes da rotor a venda.
    São especificas?

    ResponderExcluir
  11. Olá Alexandre,

    Obrigado por ler e participar do P29BR.

    Ainda não me chamaram para trabalhar no programa Mythbusters da Discovery Channel, mas de qualquer forma esse caso do óleo Singer resolveríamos usando o bom-senso.

    Se alguém investe mil Reais num conjunto de freios, seria incompreensível economizar no óleo, inclusive porque não é trocado toda hora.

    Por outro lado, um óleo com baixa tecnologia, feito para lubrificar máquinas de costura e afins, não estaria habilitado a passar por esforços de compressão e variações de temperatura, como por exemplo aconteceria nos seus freios à disco.

    Ainda assim, para eliminar qualquer tipo de "achismo", considerei mais prudente consultar o corpo técnico da Shimano Latin America, que pronta e cordialmente respondeu ao P29BR.

    Segue a palavra OFICIAL da fabricante:

    Os freios a disco hidráulicos Shimano SOMENTE trabalham com o genuíno Óleo Mineral Shimano.

    Este óleo é especialmente desenvolvido pela Shell exclusivamente para a Shimano, não havendo similares, possuindo características específicas de densidade e fluidez para uso em sistemas de freio para bicicletas.

    Diferente de outros tipos, o Óleo Mineral Shimano não agride os retentores de borracha, nem as peças da bicicletas nem mesmo o usuário, além do que causa um baixo impacto ambiental por ser biodegradável.

    Caso seja colocado outro tipo de óleo nos freios a disco hidráulicos Shimano, infelizmente o produto será perdido pois danificará as partes internas do manete e do caliper do freio.

    Lembramos aos consumidores que o sistema de freio é essencial para a segurança do ciclista, portanto é obrigatório seguir todas as Instruções de Serviço da Shimano para instalação e ajustes dos freios, evitando correr riscos de vida desnecessários.


    Portanto, mito desvendado. Pura ficção!

    Abs,

    Adil

    ResponderExcluir
  12. Oi Luiz,

    Quando fiz o teste da Q-Ring como singlespeed, a coroa era novinha e a corrente também. Aí não tive qualquer problema.

    Depois andei alguns meses sem falhas na configuração 1x9.

    Agora estou usando ela com 27 velocidades e as trocas seguem perfeitas.

    A RotorBike também vende correntes excelentes, mas eu uso KMC com sucesso.

    Abs,

    Adil

    ResponderExcluir
  13. Valeu Adil!!!
    Mito desfeito.

    Por vias das duvidas comprei o oleo Shimano,isso bem antes da pergunta e ler tais mitos. Pois achei bem estranho..."Como assim Oleo Singer?"

    Apesar do oleo Shimano ser bem caro 50ml a 50reais... algo que tinha que ser visto, pois os sistema hidraulico está mais acessivel atualmente, vide o modelo BR-486 da propria Shimano.

    No mais... Viva as 29'er

    ResponderExcluir
  14. Ainda procuro essas coroas. Achei nos Ebay da vida mas ainda assim são carissimas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Luiz, de fato ainda são super caras.

      Abs!

      Excluir
  15. Como sempre uma excelente matéria, mas tira uma dúvida, as coroas podem ser instaladas em qualquer posição, as partes mais alongadas tem uma posição específica na hora da instalação?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Vinicius,

      As coroas elípticas devem ser instaladas de acordo com as instruções do manual que sempre acompanha esse tipo de produto. Tanto os modelos da Rotor, quanto os da Doval, que eu experimentei, tem mais de uma posição de montagem disponível, de acordo com o estilo do piloto ou o benefício que ele busca.

      Abs,

      Adil

      Excluir
  16. Eai pessoal!!
    Não participo de competições grandes, mas sou entusiasta de MTB e quero experimentar todas as configurações de pedal que eu puder....hehehehe
    Atualmente estou mudando meu sistema de transmissão para 1x10. A principio iria usar coroa Wolf Tooh 36 e Cassete com pinhao 42. Mas agora fiquei muito interessado nessa coroa oval...
    Pedalo em estradas de chão com pouca trilha e alto indice de "subidões", será que compensa? o que me dizem?

    desde já agradeço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marcus Vinicius,

      Apesar das marcas que produzem coroas ovais mostrarem estudos comprovando sua eficácia, na prática perceber essas vantagens vai depender muito do seu feeling.

      Pessoalmente gosto muito das coroas ovais, por outro lado muitos outros se dizem indiferentes.

      Respondendo sua pergunta, sim, para mim compensa, ainda mais se você gosta de fazer experimentações.

      Abs,

      Adil

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens Recentes no P29BR