Procure nos arquivos do P29BR

sexta-feira, 29 de abril de 2011

P29BR 29ER LONG TERM TEST / Scott Scale 29 Pro - Impressões finais

Experimentando a fundo a 29er em carbono mais acessível da Scott.


Há algum tempo a Scott Scale 29 Pro foi apresentada em detalhes aqui no P29BR, mais precisamente em janeiro passado (http://projeto29brasil.blogspot.com/2011/01/p29br-29er-test-apresentando-scott.html). Imagino que os blog-leitores mais assíduos já deveriam estar se perguntando o por quê do teste propriamente dito ainda não ter sido publicado. O caso desta Scott é bem diferente. A IGP, representante da marca no Brasil, inovou e cedeu ao P29BR a Scale 29 Pro por um período mais extenso, foram três longos e divertidos meses a bordo de uma 29er muito especial. Sendo assim, tive todo o tempo necessário para explorar com profundidade o modelo e experimentar na prática todo tipo de alteração ou upgrade que os eventuais proprietários poderiam idealizar.


Conforme mencionei antes, a Scale 29 Pro é de fato especial e razões para confirmar isso não faltam, sejam elas técnicas, estéticas ou comerciais. O advento da linha 2011 de bicicletas da Scott marcou o lançamento dos dois primeiros modelos de 29ers produzidos em carbono pela marca suíça, reconhecida internacionalmente como especialista na manipulação desse nobre material. A espetacular Scale 29 RC, modelo de competição com rodas grandes top de linha da Scott dispensa apresentações, entretanto custa mais que o dobro a Scale 29 Pro, esta última que por sua vez conta com uma relação custo X benefício extremamente favorável. Ambas compartilham do mesmo e moderníssimo processo construtivo, batizado de IMP3, onde top tube, head tube e down tube são construídos como uma peça única, o que gera uma considerável diminuição de peso e aumento de rigidez do conjunto em relação aos processos de fabricação com fibras mais tradicionais. Apesar do belo quadro da Scale 29 Pro ser muito similar em aparência ao modelo mostrado anteriormente no P29BR (http://projeto29brasil.blogspot.com/2010/12/p29br-29er-dream-carbon-frames-niner.html), são empregadas aqui fibras diferentes, do tipo HMF e não as HMX do "irmão" de 949 gramas; ainda assim, o peso do quadro da Scale 29 Pro está na casa de 1.150 gramas, ou seja, ainda é muito mais leve que a grande maioria dos principais concorrentes diretos. O interessante é que o quadro é integralmente construído em carbono, sem apelar para inserts de metal nas áreas críticas como, por exemplo, no robusto head tube conificado, na concha do movimento central e nas gancheiras. Tudo isso também justifica seu baixo peso. O triângulo traseiro desta Scott do mesmo modo foi concebido como uma estrutura única, com a particularidade de utilizar o sistema SDS de absorção de impactos, desenvolvido para permitir alguma flexibilidade vertical e ao mesmo tempo otimizar a rigidez lateral, visando minimizar as vibrações de alta frequência advindas do terreno e ainda responder rapidamente aos esforços de pedalada. Outra tendência de mercado entre os modelos top de linha são os cabos de câmbio correndo internamente aos tubos, na Scale 29 Pro não é diferente. A Scale 29 Pro pesou 10,8Kg sem os pedais e desde o princípio mostrou grande potencial para “emagrecer” sem muito esforço (e gasto).


Em termos de geometria, a Scott já tinha mostrado um interessante diferencial nos seus modelos construídos em alumínio, lançando mão de uma suspensão dianteira com 100mm de curso, montada em um quadro com ângulo de caixa de direção relaxado, são apenas 69.5°, além de uma traseira curtíssima, com 440mm de comprimento nos chain stays e o movimento central baixo em relação ao eixo das rodas. Alguns conhecedores de 29ers se mostraram céticos num primeiro momento em relação aos números da geometria da Scott, visto que até então a cartilha da moderna bicicleta aro 29" pregava que o ângulo do head tube deveria ser mais elevado em relação ao padrão usualmente aceito para as bikes aro 26" de XC. Na prática a geometria da Scott se mostrou muito bem sucedida desde o início, contudo com a chegada dos novos quadros em carbono, a marca se superou novamente e avançou ainda mais, a Scale 29 Pro está mais fácil de pilotar,  além de contar agora com chain stays de apenas 438mm de comprimento, graças ao seat tube curvado e da maior liberdade na concepção do formato dos tubos proporcionada pelo emprego da fibra de carbono.


No quesito componentes os destaques são vários, começando pela transmissão de 30 velocidades, uma mescla interessante entre SRAM e Shimano. Da primeira vem o câmbio traseiro X.9, os trocadores X.7, o cassette 12-36 e a corrente; da marca japonesa você encontrará o câmbio dianteiro SLX Dyna-Sys e o pedivela  FC-M552 42-32-24 compatível com o movimento central BB92 do tipo Press-Fit escolhido pela Scott para equipar a bike, trata-se de um padrão desenvolvido pela própria Shimano e explicado em detalhes  no post “Entendendo os novos tipos de movimento central” (http://projeto29brasil.blogspot.com/2011/03/p29br-29er-doc-entendendo-os-novos.html). O curioso aqui é que um aviso colado ao pedivela afirma que o mesmo é somente compatível com correntes Shimano HG-X Dyna-Sys, em termos práticos isso simplesmente não se aplica, ou seja, mesmo com o setup eclético da Scale 29 Pro seu funcionamento é perfeito, ainda que  combinado com uma corrente PC-1031 da concorrente SRAM! As competentes rodas estão montadas com aros e raios DT Swiss, além possuírem de nipples de alumínio anodizado na cor vermelha. Anodizada também é a caixa de direção Ritchey Comp. Vários componentes, como mesa, guidão, canote e manoplas são de marca própria, mas seguem mantendo o alto padrão de qualidade do pacote, além de apresentarem cores coordenadas com o resto da bike, incluindo com a suspensão dianteira RockShox Reba 29 RL que possui trava no guidão. Deixo uma ressalva especial ao Avid Matchmaker, que permite agrupar os manetes de freio e os trocadores de maneira ergonômica, deixando o guidão mais limpo e com maior espaço útil. Os pedais de encaixe Shimano na cor branca também compõe bem com o visual da bike.


A partir do momento que o piloto assume o comando do cockpit da Scale 29 Pro, imediatamente percebe que tem nas mãos uma máquina de competição, colocando-se em uma posição lançada e baixa, por conta do seu bem escolhido guidão reto e head tube de altura compacta, ainda que seu peso se mantenha bem distribuído entre os eixos. Por conta dos chain stays curtos, acelerar a Scale 29 Pro não é difícil, no entanto a bike brilha mesmo nos singletracks, numa evolução do comportamento que já havia observado na versão em alumínio das 29ers da Scott.

Quanto mais acidentado o percurso, mais ficam evidenciadas as qualidades da Scale 29 Pro. Sua suspensão Reba RL com 100mm de curso surpreendeu, se mostrou muito eficiente e incrivelmente suplantou em desempenho a Reba RLT – mais cara -  que testei que há algumas semanas em outra bike. Os milímetros adicionais de curso são bem aproveitados pela Scott e fazem toda a diferença na trilha. Andei quase que o tempo todo com a suspensão travada e ajustei a sensibilidade da plataforma Floodgate de modo a torná-la bastante ativa. Utilizei com sucesso a calibragem de 110 psi na câmara positiva e 115 na negativa, o que resultou em melhor desempenho na parte inicial do curso, as conhecidas ondulações de baixa velocidade.


Nos trechos sinuosos, a Scale 29 Pro parece rodar sobre trilhos, mostrando uma recuperação de velocidade acima da média em saídas de curva. Apesar dos pneus Rocket Ron 29x2.25” passarem uma impressão de serem superdimensionados para uma bike de XC, ao contrário do que se poderia esperar,  apresentam baixa resistência à rolagem e boa aderência na grande maioria das situações. Eles estão entre os itens responsáveis pelo ótimo desempenho desta Scott nas curvas, além disso os Schwalbe são “Tubeless Ready”, ou seja, preparados para uma eventual e sempre desejada conversão para o uso sem câmaras.

Em descidas, apesar da curta distância entre-eixos, a todo momento você é lembrado que está mesmo a bordo de uma 29er, já usualmente uma mountain bike estável e confortável. Em se tratando de uma rabo-duro como a Scale 29 Pro o quesito conforto foi maximizado ao extremo e atende pelo nome de SDS. O SDS - Shock Damping System está longe de ser apenas uma jogada de marketing da fábrica, o sistema de amortecimento desenvolvido pela Scott para os chain stays da versão em carbono da Scale efetivamente funciona no sentido de anular uma parcela importante dos efeitos das ondulações do solo sobre o piloto, o que garante muitas e contínuas horas de pedal para o feliz proprietário desta bike.


Os freios Avid Elixir 5 aliados à sábia escolha da Scott por um rotor de maior diâmetro na dianteira, 185mm, tem como resultado uma frenagem segura e bem modulada, por outro lado, em nenhuma situação travei a roda traseira, mais uma qualidade inerente das 29ers que ficou evidenciada neste modelo da Scott. O suporte traseiro Direct PostMount 160 desenvolvido pela Scott é bastante funcional e mais um pequeno detalhe a colaborar para o baixo peso do conjunto.

Finalmente, nas subidas a Scale 29 Pro é um verdadeiro foguete, fica claro que se trata de uma bike criada para aqueles que buscam desempenho e velocidade. A concha do movimento central mais larga e projetada para o padrão Press-Fit oferece 15% a mais de rigidez e colabora decisivamente para que a potência dos pedais seja transferida às rodas de forma eficiente. É uma bike perfeita para se pedalar em pé e tirar proveito uma vez mais do grip dos seus grandes pneus, que demoram a perder tração.


Os três meses de pedal com a Scale 29 Pro foram extremamente proveitosos e me permitiram testar na prática muitos dos upgrades que costumo recomendar aos blog-leitores. Vamos a eles:

- Conversão tubeless: A conversão propriamente dita foi uma das mais tranqüilas que já realizei, nem precisei remover a fita de aro original de fábrica, apenas instalei sobre ela a fita de borracha NoTubes específica para aro 29”. Montei os pneus, coloquei o selante, a tradicional espuma de sabão nas laterais e passei a inflar até que os pneus estivessem corretamente assentados. Daí em diante, bastou calibrar os Rocket Ron com algo em torno de 30 psi e aaproveitar ainda mais as qualidades da Scale 29 Pro. Upgrade aprovado e recomendado.

- Troca do guidão: O guidão original de 660mm de largura foi trocado por um modelo riser mais largo, com 685mm. Aqui não houve ganho de desempenho, além da frente da bike se tornar alta demais, mesmo jogando com os espaçadores da mesa. Ficou claro que o guidão Scott Hot Rod flat é a melhor opção neste caso. Se pretender usar bar ends, prefira então um guidão ainda reto só que mais largo para não perder alavanca em comparação ao modelo de fábrica. Upgrade reprovado.

- Uso de pneus mais estreitos: Como ia participar de uma competição de maratona sem grandes dificuldades técnicas, preferi montar pneus puramente de XC com perfil mais estreito na Scale 29 Pro. Sinceramente, não percebi um ganho de performance e peso tão evidente que justificasse a troca. Ainda assim, esse é um upgrade que merece mais reflexão. Com os pneu originais mais largos, o “mud clearance” (espaço para escoamento de lama entre os chain stays e o pneu traseiro) é insatisfatório e pode de fato prejudicar a pedalada em situações de muita lama. Por outro lado, em condições secas não há qualquer problema com o equipamento de fábrica, além disso considero o Schwalbe Rocket Ron o melhor pneu todo-terreno disponível para rodas de 29 polegadas, por isso, se gostar de explorar trilhas desconhecidas ou de encarar trechos técnicos, é preferível seguir com os originais. Upgrade recomendado para rodar na lama.

- Troca do selim: A marca foi muito cuidadosa na escolha dos componentes para a Scale 29 Pro, o selim original é um leve modelo de competição da Selle Italia customizado para a Scott. Ele conta com um perfil adequado e uma plataforma bastante rígida, como pedem os profissionais. No entanto poucos de nós, simples mortais, temos estrutura física para suportar algumas dezenas de quilômetros sobre um selim de cobertura mais rígida como este, por isso sugiro migrar para um modelo mais confortável. Como sempre digo, a escolha de um selim é muito pessoal. De qualquer forma atendendo a pedidos dos blog-leitores estou elaborando um artigo falando da minha busca incansável pelo selim perfeito, fique ligado. Upgrade aprovado e recomendado para não profissionais.

- Pedivela de duas coroas: O chainline, ou linha de corrente, da Scale 29 Pro favorece enormemente o emprego de um pedivela de duas coroas, perfeito para um uso XC numa bike leve como esta, assim todas as suas combinações de marchas poderiam ser integralmente utilizadas e a pedalada se tornaria mais natural. Acontece que o movimento central BB92 limita a escolha do pedivela somente entre os modelos da própria Shimano. Hoje na linha de produtos da marca japonesa, apenas o XTR está disponível nessa configuração de coroa dupla, o que pelos próximos meses tornaria este upgrade muito custoso, pelo menos até o já anunciado lançamento da nova linha XT com opções em pedivelas de dupla coroa. Felizmente, alguns outros fornecedores de componentes desenvolveram um movimento central compatível com conchas BB92, mas que permite a montagem de outros pedivelas com eixo de 24mm, como é o caso da FSA, aí nesse caso o proprietário da Scale 29 Pro teria também que substituir o movimento central original. Upgrade recomendado para aqueles que hoje possuem um bom saldo bancário e que querem ganhar em termos de peso e desempenho.

Os pilotos mais pesados poderiam preferir um eixo passante na suspensão dianteira, como o 15QR, o que garantiria uma direção mais precisa nas condições mais adversas. Para meus 75Kg o eixo dianteiro padrão de 9mm mostrou-se funcional e supriu tranquilamente minhas necessidades.


A Scale 29 Pro tem preço sugerido de R$ 9.999,00 e está disponível em três tamanhos (M, L e XL). Considerando-se a qualidade do quadro e seu potencial como um todo, esta 29er da Scott pode ser a opção ideal para o biker interessado em competir em alto nível, sem ter que dispor de um valor mais alto para contar com os benefícios de um equipamento tecnologicamente avançado como este. Pessoalmente, confesso que está sendo difícil de me separar da Scale 29 Pro, seguramente uma das 3 melhores 29ers que já pedalei até hoje...e olha que até hoje foram muitas.

Keep 29eriding!

41 comentários:

  1. 1 dia eu chego lá!!!

    quando vai fazer um teste da GT KARAKORAM 29?

    ResponderExcluir
  2. Ola Adil.
    a Scott esta surpreendendo.
    Um dia quer ter oportunidade de pilotar uma belezinha destas.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Adil, seja bem sincero: Scott Scale 29 Pro ou Specialized Stumpjumper HT Comp 29 ?????
    ;)

    [ ]s
    Luciano

    ResponderExcluir
  4. Olá Rodrigo,

    Estou tentando contato com os responsáveis pela operação da GT no Brasil, mas ainda não obtive resposta. De qualquer forma, mantenho todos vocês informados.

    Abs,

    Adil

    ResponderExcluir
  5. Oi Luiz,


    Essa Scott de carbono vale de fato a pedalada.

    Abs,

    Adil

    ResponderExcluir
  6. Olá Luciano,

    As duas bikes que você citou, não podem ser comparadas.

    A Scale 29 Pro está num outro patamar, acima da Stump Comp. Esta Scott poderia ser comparada sim com uma Specialized também de carbono.

    De qualquer forma, se o seu "core business" forem as trilhas técnicas, vá de Scott.

    Abs,

    Adil

    ResponderExcluir
  7. Adil, tem toda razão, a Stumpjumper HT Comp 29 teria de ser comparada com a Scale 29 Elite. A Scale Pro está em outro nível mesmo, cafundi meus alumínios com meus carbonos :(.
    [ ]s

    Luciano

    ResponderExcluir
  8. Adil,

    Poderia falar mais sobre a regulagem da suspensão?

    Vc diz que usou mais a suspensão travada, mas que a regulagem deixou ela boa para as pequenas imperfeições... foi isso mesmo que vc quis escrever? Não entendi, normalmente a susp. travada até absorve alguma coisa, mas tem que ser pancada daí... gostaria de saber mais.

    E agora que tem que devolver essa Scott Adil??? Pede uma RC pra testar... ehehe

    Até mais, Euler

    ResponderExcluir
  9. Olá Euler,

    A Reba tem um sistema de plataforma estável chamado Floodgate. O ajuste da sensibilidade dessa plataforma se encontra no topo da haste direita da suspensão, você vai precisar tirar a tampa dourada marcada com a palavra "GATE" e usar uma chave allen 2.5mm.

    A plataforma Floodgate é ativada somente quando a suspensão está travada. O ajuste que eu mencionei controla o quão fácil ou difícil seria suplantar essa plataforma e ativar de fato o garfo.

    Pedalando com a Reba travada e com baixa sensibilidade no Floodgate, você consegue uma suspensão com funcionamento adequado, mesmo sem passar por trechos de pancadas, podendo ainda pedalar de pé sem uma movimentação exagerada da suspa.

    Se ainda tiver dúvidas, pergunte.

    A RC é realmente incrível, quem sabe testo ela num futuro próximo.

    Abs,

    Adil

    ResponderExcluir
  10. E a partir do momento que a plataforma floodgate libera a suspensão para trabalhar passando por um obstáculo a absorção é a mesma que com a susp. destravada?

    Em uma descida vc tem que destravar ou ela absorve igual tivesse destravada?

    Parece-me ser o "brain" da SPZ versãoda Rock Shox, é isso?

    Euler

    ResponderExcluir
  11. Muito bacana o review!

    Estava a 3 anos sem pedalar, e agora resolvi voltar. Graças ao blog, que acompanho a aproximadamente 2 meses e acho que já lí ele todo =), fiz minha opção pela Caloi 29er, que tem uma semana comigo, e gostei bastante.

    Continue com os bons posts e obrigado pelas boas dicas!

    Abraços

    ResponderExcluir
  12. Escolheu muito bem! Nenhuma bate o custo benefício da Caloi.
    [ ]s

    Luciano

    ResponderExcluir
  13. Oi Euler,

    Sim, depois que é suplantada a plataforma, a suspensão funciona normalmente.

    Se a descida a ser enfrentada for longa, aí você deve destravar a suspa totalmente.

    O Floodgate é realmente similar em funcionamento o Brain da Specialized, que como o próprio nome sugere, é ainda mais "inteligente".

    Abs,

    Adil

    ResponderExcluir
  14. Olá Hermes,

    Obrigado por acompanhar e se informar com o P29BR.

    Sua escolha foi acertada. Costumo dizer que a Caloi Two Niner é uma 29er muito honesta que cumpre bem os propósitos para os quais foi projetada.

    Abs,

    Adil

    ResponderExcluir
  15. Olá Adil,
    Parabéns pelo seu Blog.
    Sou meio pé atrás com a Scott, pois tive azar com a minha Scale 60 26". Comprei 0km e em 3 meses me trincou o quadro na caixa de direção. Consegui que trocassem o quadro, mas perdi o tesão pela marca.
    Abraços,

    ResponderExcluir
  16. Fala Adil, Parabéns mais uma vez pela completa matéria...Muito Boa Mesmo!!!!
    Não fosse o valor, até iria nessa bike, mais decidi abraçar a GT ZASCAR 29 EXPERT...To satisfeito e contente, e aproveito para agradecer pelos toques via mail...VALEU MESMO!!!
    O Visual dela é como gosto, simples, toda preta, e achei ela leve e fácil de tocar, apesar de antes ter duvida se ia me dar bem com a relação 2 X 10... mais acho q vai ser tranquilo tocar com ela...falta fazer uma trilhinha mais fechada e tal...andar mais pra poder dizer algo mais concreto.
    Depois posto opiniões sobre a Bike, apesar desta ser minha primeira "Rodona" e não ser tão expert como a maioria da galera aqui...mais por se tratar de uma 29 nova no pedaço vou tentar pasar minhas impressões depois.
    Abraço a todos, do contente e novo adepto do rodão e recem chegado do 1º pedal de 29...Massa...Massaroca!!!!

    ResponderExcluir
  17. Oi Luiz,

    O quadro não tem limitação quanto ao peso do piloto, é extremamente forte.

    Abs,

    Adil

    ResponderExcluir
  18. Oi Antonio,

    Você fez um grande negócio!

    Não vejo a hora de pedalar uma GT 29er também.

    Depois conte um pouco mais sobre suas experiências com a nova bike.

    Abs,

    Adil

    ResponderExcluir
  19. Adil, comprei essa bike e to realmente muito satisfeito. Estou fazendo uns ups nela e pelo que vi dá pra chegar fácil perto de 8 kg. Essa é a meta inclusive. Sobre o pedevela duplo, vc acha que colocar duas coroas num pedevela triplo, pode afetar o chainstay.

    ResponderExcluir
  20. Ola Daniel
    Tenho esta bike tambem, ja fiz muitos update nela e so consegui chegar no 9,8kg,
    Um amigo acabou de receber a SPZ stumjumper sworks e ela esta pesando 9kg redondo com velocimetro e suporte caramanhola!!!
    Infelizemte acho dificil chegar a 8kg
    Me fala que vc fez ate agora e a onde vc consegui
    Ja passei todo em xtr/xo com pedivela rotor, troquei a roda por crossmas, estou com guidao de carbono e canote de 150gr....
    Laurent

    ResponderExcluir
  21. Olá Daniel,

    Boa escolha.

    Com um garfo rígido de carbono e componentes top de linha, você chega a menos de 9Kg.

    Uma das vantagens do pedivela com dupla coroa, feito exclusivamente para isso, é a otimização do chainline (linha de corrente), o que te permite utilizar todas as marchas disponíveis sem gerar stress adicional na corrente da sua bike, por isso, não vale a pena apenas tirar uma coroa de um pedivela triplo e utilizá-lo como duplo, o desempenho não será igual.

    Abs,

    Adil

    ResponderExcluir
  22. Olá Laurent,

    Apesar da sua roda Mavic ser mega-rígida e ter um interessante peso de 1750 gramas, existem hoje no mercado opções bem mais leves que essa, claro que a um custo mais alto. As rodas Edge ou Enve de carbono são excelentes, sem falar na Roval da própria Specialized.

    Outro detalhe em comparação com a S-Works são os pneus Renegade da Specialized, muito rápidos e leves, mas menos versáteis que os seus Rocket Ron.

    Para completar, seu sempre te encho o saco para converter suas rodas para Tubeless. Aqui são poucas gramas a menos, mas são!

    Abs,

    Adil

    ResponderExcluir
  23. A minha scott acabou de chegar, realmente ela é ESPETACULAR!!!!!!!!! No momento troquei apenas a mesa por uma ritchey wcs branca 90 mm, pneu traseiro pelo spz renegade s-works e os braços do pedivela colocando os shimano slx que eu tinha. Em breve farei novas alterações.

    ResponderExcluir
  24. Muito bem, Rodrigo.

    Você vai adorar a bike!

    Se tiver qualquer dúvida sobre a bike, pergunte.

    Abs,

    Adil

    ResponderExcluir
  25. Olá Adil,

    Realmente é uma máquina muito boa mesmo estou muito satisfeito!!!

    Já encomendei o kit tubeless, más enquanto não chega estou sofrendo com a regulagem dos pneus com cameras. Você alguma calibragem para me indicar. Abs e boas pedaladas...Rodrigo

    ResponderExcluir
  26. Olá Rodrigo,

    Uso uma regra para calibrar os pneus quando estão montados com câmaras. Para os meus 75Kg sempre começo com a calibragem mínima recomendada pela fábrica e gravada na lateral dos pneus. No caso do Rocket Ron que eu adoro, usei 35psi.

    Quando estiver de tubeless pode baixar para algo na casa dos 30 psi ou menos.

    Abs,

    Adil

    ResponderExcluir
  27. Olá Adil,

    Realmente a Scott Scale Pro 29 é um sucesso total!!! Bike espetacular...más chegou a hora de fazer alguns upgrade nela. Estarei montando aros notubes eu iria colocar crest e crest em função de vários amigos estarem rodando assim. Más como eles rodas mais em estradão e eu gosto de uns lugares mais sinistros como big biker, 12 horas e quem sabe um brasil ride..... estou na dúvida deles aguentarem e acredito que por poucas gramas é mais negocio pegar o arch para traseira. Provavelmente vou colocar na cor branca, você já ouvir falar se eles descascam a pintura? No caso dos raios vou seguir o modelo que você sugere. Fico no aguardo e parabéns pelo excelente blog.

    ResponderExcluir
  28. Olá Rodrigo,

    Eu não poupo meus equipamentos. Se você tem uma tocada mais hard e/ou pesa mais de 75 Kg, eu considero mais adequado usar o arch na traseira, mesmo ganhando algumas poucas gramas extras.

    Os aros NoTubes são de extrema qualidade. Pode ficar tranquilo com a cor branca, a pintura não deverá descascar.

    Qualquer dúvida, pergunte.

    Abs,

    Adil

    ResponderExcluir
  29. Olá Adil, quando será realizado teste em uma 29er full suspension? Obrigado.

    ResponderExcluir
  30. Olá Canela,

    Neste momento estou testando uma Scott Spark 29 Team.

    Em breve faço o primeiro post sobre ela.

    Abs,

    Adil

    ResponderExcluir
  31. eu comprei uma scott ful aro 29 , quem comprar vende rapido aro 26 meu

    ResponderExcluir
  32. ahm eu com uma scott dessa top por enquanto vo levando na minha schwinn mesa mtb top que montei de 5 pokos mil

    ResponderExcluir
  33. Olá Adil blz?

    Amigo meu colega comprou uma Scale 29 Expert, e esta tendo problemas para pedalar quando passa por trechos com muita lama e barro a roda chega a travar no tubo do selim.
    Alguma coisa que ele pode fazer ou qual marca de bike não acontece isso?

    Obrigado.

    Abraço

    ResponderExcluir
  34. Olá amigo do proprietário de uma Scale Expert,

    Tenho larga experiência e alta quilometragem com o quadro de carbono dessas 29ers da SCOTT. Considero sua capacidade de escoamento de barro adequada e equivalente às concorrentes. De todas as formas, no caso do seu amigo, sugiro montar pneus mais estreitos que os Schwalbe originais. Os Maxxis Beaver são ótimas opções.

    Abs,

    Adil

    ResponderExcluir
  35. Prezado Adil, primeiramente parabéns pela matéria. Eu tenho uma Scale PRO 29, sai da Merida 26 er , 27 v e fiz uma mudança radical pois entrei na aro 29 er, 20v e ainda com uma mudança radical na geometria, fiz bike Fit com Rogerinho e mudou apenas a mesa,melhorando muito o posicionamento, mesmo asssim demorei uns 4 meses para me adptar e não volto mais para 26. Minha pergunta seria: 1- porque esta demora na adaptação, 2- porque muita gente está optando pela Canondale Carbon 29 er, seria pela geometria menos racing? 3- A geometria da Scott seria mais para Cross Country ou Maratona? Obrigado Claudemir

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Claudemir,

      Obrigado por participar do P29BR!

      Respondendo suas dúvidas:

      1 - A adaptação depende de pessoa para pessoa, então não considero 4 meses um período tão grande assim. Além disso, sabendo como tirar tudo que uma 29er pode oferecer, é muito difícil cogitar uma volta ao aro 26" ou mesmo ao 27.5".

      2 - Em relação à Cannondale, pode ser algo que aconteça mais na sua região. Pessoalmente, considero a geometria da SCOTT superior, para XC, Maratona ou mesmo para um uso menos competitivo. Da Cannondale eu destaco a Lefty.

      Abs,

      Adil

      Excluir
  36. Adil,

    Sai de uma Trek Mamba 29er para uma Scott Scale 950 29er 2013, e de cara percebi uma grande diferença na distribuição de impacto a Scott absorve e distribui melhor o impacto, na Trek eu sentia mais as pancadas, gostei muito da geometria da Trek Mamba mas é uma bike muito pesada, posto esses comentário iniciais, eu pergunto: em ambas eu serrei 40mm do guidom deixando com 680mm, qual é o tamanho correto do guidom?

    Abss
    Warwick

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Warwick,

      Obrigado por participar do P29BR.

      Na verdade o mínimo que recomendaria seriam exatamente esses 680mm, mas tudo vai de gosto pessoal, hoje utilizo um guidão com 710mm uma largura que nem imaginava há poucos anos.

      Abs,

      Adil

      Excluir
  37. Adil blz!?
    Pra quem nunca andou de 29 vale a pena fazer um sacrifício financeiro e comprar logo uma "Scott Scale 950" (cerca de 3.400 a mais) ao invés da "Scott Scale 970"? Eu pedalo esporadicamente uma caloi elite 2.7 mas pretendo aumentar o ritmo e inclusive subir e descer serra e morros com a nova bike.

    Gde abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só acrescentando, a Scott Spark 960 (600 reais a mais) não seria melhor opção no lugar da Scale 950, caso eu alce vôo maior que a scale 970?

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens Recentes no P29BR